sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Cultura


Lançamento do livro Vai, do escritor, poeta e produtor cultural Luiz Carlos Dias, na biblioteca Pública de Olinda esta noite- 29.08, durante o projeto Tertúlia Pernambucana.





AGENDA 13555 - DIAS 29, 30 E 31 DE AGOSTO


VAMOS MOVIMENTAR NOSSO FIM DE SEMANA
ACOMPANHANDO MARCELO SANTA CRUZ - DEPUTADO ESTADUAL 13555
E FORTALECENDO A CAMPANHA.



quinta-feira, 28 de agosto de 2014

A ANISTIA AINDA PARCIAL



A repressão, a tortura, os desaparecimentos, foram ignoradas pela Lei de Anistia, de agosto de 1979, tida como Ampla, Geral e Irrestrita, mas distante da anistia sonhada e defendida pelo sofrimento e perdas dos familiares e vítimas do período ditatorial. Evidente que ela permitiu a volta de muitos brasileiros que permaneciam no exílio e a liberdade de outros tantos que ainda penavam nos cárceres da ditadura.
Apesar disso, não podemos permitir o esquecimento de que ainda faltam mortes e desaparecimentos “políticos” - como entende o Movimento de Anistia - torturas a serem esclarecidos, pois não há dúvida que essa é a face revelada mais perversa da repressão, praticada contra os opositores do regime pelos militares e civis que infelicitaram a Nação Brasileira por tanto tempo.
         Nesse sentido, através da Lei 12.528, foi instituída a Comissão Nacional da Verdade, que representa um marco histórico para o estado democrático de direito, sendo necessário valorizar as experiências anteriores produzidas pela Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Os relatos e documentos das Comissões de Reparação de Anistia, de âmbito nacional e as Estaduais - através de livros e filmes, vídeos e levantamentos realizados ao longo dos anos – avançam com a abertura dos arquivos da repressão, vitais para a identificação dos torturadores e as circunstâncias de como ocorreram em todo o Brasil. Esta é a expectativa dos familiares e dos Comitês Memória, Verdade e Justiça, pois as conclusões desses relatórios têm como foco os seqüestros, torturas, assassinatos e ocultação de cadáveres, os quais serão submetidos ao Ministério Público Federal, à Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA e outros Organismos Internacionais de Defesa e Promoção de Direitos Humanos. São crimes contra a humanidade, imprescritíveis, não passíveis de perdão ou anistia, cuja apuração, identificação e punição dos responsáveis, são condições inegociáveis visando a consolidação do Estado Democrático de Direito.     
* MARCELO SANTA CRUZ
  Militante dos Direitos Humanos,
  Advogado e Vereador PT Olinda


sábado, 23 de agosto de 2014

Engrossando o Caldo, foi um sucesso. 
O evento ocorreu na Picanha do  Futuro em frente o Parque da Jaqueira. Obrigado a todos!